segunda-feira, 26 fevereiro, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioEconomiaVale embarca 1º teste internacional do briquete em alto-forno

Vale embarca 1º teste internacional do briquete em alto-forno

- Publicidade -Google search engine

Na semana passada, a Vale concluiu o embarque do primeiro teste internacional em alto-forno do briquete de minério de ferro. O produto inovador pode reduzir em até 10% as emissões de CO2 da siderurgia.

O teste industrial será realizado no início de maio nas instalações de um cliente na Europa. Foram embarcadas 8 mil toneladas do produto a partir do Terminal Multicargas do Porto do Açu, em São João da Barra (RJ), em direção ao Porto de Roterdã, na Holanda.

Os testes serão realizados para verificar o comportamento do briquete durante o transporte transoceânico, previsto para durar 20 dias. O teste também observará seu desempenho no alto-forno da siderúrgica. No Brasil, já foram testadas industrialmente 70 mil toneladas do briquete em seis diferentes altos-fornos, totalizando 126 dias de uso.

Os testes no Brasil mostraram que o briquete resistiu às exigências do processo. Isso permite a manutenção da produção e dos parâmetros operacionais do alto-forno. A expectativa é que o mesmo ocorra nos testes na Europa.

“Este é mais um marco importante no nosso caminho para fornecer soluções de baixa emissão de carbono para a indústria siderúrgica global. Podemos com os testes industriais ganhar a confiança de parceiros estratégicos que serão os líderes na utilização do briquete nos próximos anos”, afirmou Rogério Nogueira, diretor de Desenvolvimento de Produtos e Negócios da Vale.

Para o Porto do Açu, a movimentação inédita é um importante passo para posicionar o empreendimento portuário como player importante no processo de descarbonização do setor siderúrgico.

José Firmo, CEO do Porto do Açu, destaca que “este tipo de carga reforça a ambição do Porto do Açu em ser o porto da transição energética no Brasil. Além disso, a estratégia do porto inclui acelerar a descarbonização das cadeias de valor das indústrias siderúrgica e química, setores que são críticos para reduzir a emissão de CO2 vindo das chamadas hard to abate”.

Briquete da Vale

O briquete é produzido a partir da briquetagem de finos de minério de ferro e uma solução tecnológica de aglomerantes que permite alcançar elevada resistência mecânica em baixas temperaturas.

O produto pode substituir sinter, pelota e granulado em altos-fornos e pelota em fornos de redução direta, reduzindo a emissão de poluentes e gases de efeito estufa quando comparado aos processos tradicionais de aglomeração de minério de ferro (pelotização e sinterização). A substituição da etapa de sinterização é o que permite a potencial redução das emissões de carbono em até 10%.

A carga embarcada foi produzida em uma planta de demonstração em Pindamonhangaba (SP). A Vale está construindo duas plantas de briquete na Unidade Tubarão, em Vitória (ES), com capacidade de 6mtpa. O start-up da primeira planta está previsto para o final do primeiro semestre.

- Publicidade -spot_img
NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -