sábado, 24 fevereiro, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioEconomiaExtração de petróleo e minério de ferro impulsionam produção industrial

Extração de petróleo e minério de ferro impulsionam produção industrial

- Publicidade -Google search engine

Na passagem de outubro para novembro, a produção industrial do país avançou 0,5%, acentuando o ritmo de produção frente aos resultados de outubro (0,1%), setembro (0,1%) e agosto (0,2%). O índice acumulado no ano variou 0,1%, e, nos últimos 12 meses, com variação nula (0,0%), segue com o comportamento de estabilidade observado desde maio de 2023 (0,0%). Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada hoje (5) pelo IBGE.

“Mesmo com o saldo positivo de 0,9% acumulado nos últimos quatro meses, a produção industrial ainda se encontra 0,9% abaixo do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020) e 17,6% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011”, destaca o gerente da pesquisa, André Macedo.

Duas das quatro grandes categorias econômicas e 13 dos 25 ramos industriais pesquisados tiveram crescimento na produção de outubro para novembro de 2023, mostrando um perfil equilibrado entre taxas positivas e negativas nessa comparação.

Entre as atividades industriais, Macedo destaca as indústrias extrativas (3,4%) e produtos alimentícios (2,8%) como as principais influência positivas:

“As indústrias extrativas foram impulsionadas pela maior extração de petróleo e minério de ferro, e eliminaram o recuo de 0,4% do mês de outubro. Já o setor de produtos alimentícios, que teve como destaque os itens açúcar, produtos derivados da soja e carnes de bovinos, marcou seu 5º mês seguido de crescimento na produção, e acumulou nesse período um crescimento de 6,3%”.

Por outro lado, entre as doze atividades que tiveram redução na produção, produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-10,2%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-3,1%) exerceram os principais impactos negativos, com ambas eliminando os avanços registrados no mês anterior: 3,5% e 1,0%, respectivamente.

Já entre as grandes categorias econômicas, ainda na comparação com outubro, bens intermediários (1,6%) teve o crescimento mais acentuado após também avançar em outubro (0,7%) e setembro (0,8%).

O setor produtor de bens de consumo semi e não duráveis (0,2%) também assinalou taxa positiva nesse mês e interrompeu dois meses consecutivos de queda na produção, período em que acumulou perda de 1,9%. Por outro lado, os segmentos de bens de capital (-1,7%) e de bens de consumo duráveis (-3,3%) tiveram resultados negativos em novembro, ambos com a terceira taxa negativa consecutiva e acumulando, nesse período, perdas de 4,7% e 9,7%, respectivamente.

- Publicidade -spot_img
NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -