sexta-feira, 12 abril, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioFiscalização/SegurançaVale inicia obras de descaracterização do Dique 1A em Itabira

Vale inicia obras de descaracterização do Dique 1A em Itabira

- Publicidade -

A Vale deu início, nesta semana, às obras de descaracterização do Dique 1A, localizado na mina Conceição, em Itabira (MG). A ação tem como objetivo aterrar e regularizar a área do reservatório do dique, visando a construção de canais de drenagem para evitar o acúmulo de água.

O Dique 1A é uma estrutura interna do Sistema Conceição e, segundo a Vale, não recebe mais rejeitos e possui uma Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) vigente.

Durante as obras, o dique passará por reconformação e parte de seu conteúdo será removido. Serão contratadas 150 pessoas para realizar o trabalho, com previsão de conclusão em 2024.

Dique 1 da Vale

De acordo com a mineradora, as obras serão realizadas em uma área interna da empresa e não há moradores na zona de autossalvamento, região ao redor do dique que apresenta maior risco em caso de rompimento da estrutura.

Com essa iniciativa, metade das 18 estruturas a montante da Vale, que ainda precisam ser eliminadas, já tiveram as obras iniciadas. O método a montante foi o mesmo utilizado nas barragens de Fundão, em Mariana (MG), e da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), que sofreram rompimentos em 2015 e 2019, respectivamente.

Desde 2019, a Vale investiu aproximadamente R$ 5,8 bilhões na eliminação das estruturas a montante. Das 30 estruturas existentes, sendo nove em Minas Gerais e três no Pará, 12 já foram eliminadas, o que representa 40% do total. A previsão é concluir a 13ª unidade até o final deste ano.

Em Itabira, metade das dez barragens a montante já foi eliminada. Ainda este ano, as obras de eliminação do Dique 2 do Sistema Pontal, localizado na Mina Cauê, também em Itabira, serão concluídas, tornando-se a 13ª barragem a montante eliminada pela Vale no país e a sexta no município.

Segundo a Vale, todas as barragens a montante estão inativas e passam por monitoramento constante. As ações nessas estruturas são acompanhadas por assessorias técnicas independentes, que fazem parte dos Termos de Compromisso firmados com os Ministérios Públicos Estadual e Federal, Fundação Estadual do Meio Ambiente e Estado de Minas Gerais.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -