segunda-feira, 26 fevereiro, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioEconomiaRegião de Carajás pode se tornar uma das maiores produtoras de cobre...

Região de Carajás pode se tornar uma das maiores produtoras de cobre do mundo, afirma CEO da Ero Copper

- Publicidade -Google search engine

A região de Carajás, no norte do Brasil, tem o potencial de se tornar uma das maiores produtoras de cobre do mundo na próxima década, de acordo com David Strang, CEO e diretor da Ero Copper. Atualmente, a Vale opera na região há mais de 50 anos, concentrando-se na produção de minério de ferro no complexo mineral de Carajás/Serra Norte, que é a maior mina de minério de ferro a céu aberto do mundo, com uma produção anual de 150 milhões de toneladas (Mt).

Para Strang, a crescente demanda por minerais como o cobre e o níquel, devido às tecnologias limpas, representa uma oportunidade única para Carajás. Ele destaca que a região é um dos maiores distritos minerais do mundo, com um enorme potencial ainda pouco explorado, principalmente devido à presença dominante da Vale.

O Brasil produziu 99,5 Mt de cobre em 2021, sendo o 8º maior exportador mundial, representando apenas 1,6% do metal extraído globalmente. Grande parte das jazidas de cobre do Brasil está localizada em Carajás, com um total estimado de 27,34 Mt de metal contido. O Projeto Tucumã da Ero Copper, localizado na Província Mineral de Carajás, está em construção e deve entrar em produção no segundo semestre do próximo ano, adicionando 326.000 toneladas de cobre recuperado ao longo de uma vida útil inicial de 12 anos.

Carajás

A Vale, por sua vez, opera suas principais minas de cobre em Carajás, com destaque para a mina de Sossego, localizada no município de Canaã dos Carajás, com capacidade de produção anual de 93 mil toneladas de cobre metálico em concentrado. A empresa também opera a mina de Salobo, em Marabá, sudeste do Pará, que possui uma reserva mineral de 1,15 bilhão de toneladas de cobre, sendo a maior jazida de cobre do Brasil.

A Vale recentemente fez acordos para vender uma participação de 13% em sua unidade de metais básicos por US$ 3,4 bilhões para a Ma’aden da Arábia Saudita e para a empresa norte-americana Engine No. 1, como parte de sua estratégia para valorizar seus ativos de níquel e cobre. Strang destacou a qualidade do portfólio de projetos de cobre não desenvolvidos da Vale e observou que o investimento com os sauditas será interessante de se acompanhar.

Além disso, o executivo-chefe da Ero Copper também enfatizou a oportunidade de produzir produtos premium no Brasil, devido aos altos índices de energia renovável no país, que responde por quase 7% da produção de energia renovável mundial. Strang acredita que, se os projetos forem desenvolvidos, o Brasil poderá se tornar um dos 10 maiores, e talvez um dos cinco maiores, produtores de cobre do mundo.

- Publicidade -spot_img
NOTÍCIAS RELACIONADAS

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -