segunda-feira, 26 fevereiro, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioArtigosOpiniãoJornada de trabalho na Mineração: desafios para a produtividade do setor

Jornada de trabalho na Mineração: desafios para a produtividade do setor

Aumentar a produtividade do setor mineral é essencial para o desenvolvimento econômico do país. Mas como falar de produtividade sem falar de horas trabalhadas?

- Publicidade -Google search engine

Aumentar a produtividade do setor mineral é essencial para o desenvolvimento econômico do país. Mas como falar de produtividade sem falar de horas trabalhadas?

De fato, a seriedade das questões laborais deve ser considerada. Há riscos na atividade mineradora, claro. E é inegociável que empresas se comprometam a cumprir as legislações trabalhistas e de saúde e segurança, garantindo condições de trabalho dignas aos seus empregados.

As legislações, aliás, no Brasil, avançaram sobre segurança do trabalho e proteção ao meio ambiente e às comunidades, mas ainda é preciso observar o que impede que haja mais produtividade e, como consequência, mais empregos e geração de renda.

Internacionalmente, a Convenção 176 da OIT (1995), ratificada pelo Brasil (2006), abrange as recomendações trabalhistas a serem observadas e, no Brasil, as regras estão expostas em uma Seção específica da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), nos Artigos 293 a 301.

 O artigo 293 prescreve uma jornada de trabalho e afirma que a duração das atividades para os empregados em minas no subsolo não poderá exceder 6 horas diárias ou 36 semanais.

já o Artigo 294 traz detalhamentos sobre o que é trabalho efetivo e o que são horas gastas em deslocamento ao local da mina e tempo gasto entre a boca da mina e o efetivo local de trabalho.

 E é neste marco temporal (in intinere) que é preciso um olhar apurado, mais moderno, de forma a conciliar a proteção à saúde do empregado sem se descuidar da produtividade da empresa.

Hoje, o tempo que o empregado gasta da boca da mina ao local de trabalho é computado na jornada e é remunerado como de efetivo trabalho. Então, muitas vezes, o tempo que sobra de efetivo trabalho é diminuto e improdutivo.

Esse mesmo problema era enfrentado no setor de transporte de cargas, quando o motorista deveria ficar no caminhão, nas intermináveis filas da fiscalização fazendária ou alfandegária e, até mesmo, nas filas dos portos e outros embarcadouros esperando por atendimento. Esse tempo seria de efetivo trabalho ou não?

O setor de transporte, no entanto, conseguiu uma regulamentação específica (primeiro com a Lei 12.619/2012 e depois com a Lei 13.103/2015), criando um conceito legal novo de “tempo de espera”, previsto agora no art. 235-C, §8º da CLT, que diz: “São considerados tempo de espera as horas em que o motorista profissional empregado ficar aguardando carga ou descarga do veículo nas dependências do embarcador ou do destinatário e o período gasto com a fiscalização da mercadoria transportada em barreiras fiscais ou alfandegárias, não sendo computados como jornada de trabalho e nem como horas extraordinárias”.

Essa mesma lei, apesar de dizer que o tempo de espera não se computa na jornada, estabeleceu que este será indenizado na base de 30% do salário/hora (art. 235-C, §9º da CLT). Ou seja, a empresa paga, não como hora de salário (com encargos de FGTS e INSS), mas sim como indenização baseada em 30% do salário – isto é, sem a incidência de encargos.

O setor de mineração pode evoluir em solução parecida, conciliando proteção e produtividade. E pode ir mais adiante, condicionando em alguma medida essa adaptação à negociação coletiva, de forma a valorizar decisões coletivas e concertadas com a empresa e a representação dos trabalhadores.

Isso diminuirá sensivelmente custos e riscos de passivos trabalhistas, criando previsibilidade orçamentária nos custos da composição do trabalho e, ainda assim, remunera o trabalhador minerário por suas horas à disposição do empregador.

Um potencial equilíbrio entre as partes e uma saída negociada para aumentar a produtividade do setor mineral sem, necessariamente, ser preciso ampliar o número de minas subterrâneas em explotação. Vale seguir o exemplo do setor de transportes.

 SOBRE OS AUTORES 

 TOMÁS DE PAULA PESSOA  – Advogado especialista em Direito Minerário, membro da Comissão de Direito Minerário da OAB e sócio do Escritório Tomás de Paula Pessoa.

PRAGMÁCIO FILHO – Doutor e mestre em direito do trabalho, professor universitário e sócio do Escritório Furtado Pragmácio Advogados.                                                                 

- Publicidade -spot_img
NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -