sábado, 2 março, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioInternacionalSigma Lithium processa ex-CEO por roubar segredos  comerciais 

Sigma Lithium processa ex-CEO por roubar segredos  comerciais 

A queixa foi apresentada na segunda-feira no tribunal federal de Manhattan

- Publicidade -Google search engine

A Sigma Lithium, que produz metal usado em baterias de veículos elétricos, processou um ex-codiretor executivo, acusando-o de roubar segredos comerciais para minar os esforços da empresa para se vender.

A queixa foi apresentada na segunda-feira no tribunal federal de Manhattan contra Calvyn Gardner, que até Janeiro era co-CEO da Sigma com Ana Cabral-Gardner, de quem está se divorciando e que continua a ser CEO. Luisa Valim, nora de Gardner, também é ré.

O escritório de advocacia de Gardner não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários na terça-feira. Não está claro se Valim tem um advogado e ela não foi encontrada imediatamente.

A Sigma está sediada em Vancouver, British Columbia, mas opera principalmente no Brasil, e tinha um valor de mercado de cerca de C$ 5,07 bilhões (US$ 3,74 bilhões) na segunda-feira.

O processo disse que Cabral-Gardner e Gardner lideram um fundo, A10 Investimentos, com uma participação de 44% na empresa, com Cabral-Gardner possuindo 76% do fundo e Gardner possuindo 24%.

De acordo com a Sigma, Valim planejou um esquema para roubar informações proprietárias “para alavancagem e vingança” e para ganhar mais favores de seu sogro, depois de saber que ele poderia não ter direito legal a metade dos bens conjugais no divórcio.

Sigma disse que logo após deixar a empresa em maio, Valim baixou e compartilhou com Gardner cerca de 80.000 documentos confidenciais de uma sala de dados à qual o Bank of America, que vem trabalhando em negociações com potenciais compradores da Sigma, coordenou o acesso.

De acordo com a Sigma, esses documentos incluíam documentos industriais e de mineração que eram o “molho secreto” de seus negócios e que, se desviados, tirariam sua principal vantagem competitiva contra rivais de mineração e processamento de lítio.

A Sigma disse que as ações de Valim e Gardner foram “projetadas para interferir” em uma possível aquisição, e Valim se gabou para um parceiro da A10 em um voo de avião em 1º de julho que, por causa do esquema, “o processo de M&A estava ‘acabado’”.

A ação busca danos não especificados e a devolução de bens desviados.

Numa entrevista em 28 de julho, Cabral-Gardner disse que a Sigma tem procurado fortalecer a sua “posição ambientalmente competitiva única” na cadeia de abastecimento global.

“A empresa é o ativo”, disse ela.

O Bank of America se recusou a comentar. O caso é Sigma Lithium Corp v Gardner et al, US District Court, Southern District of New York, No. 23-07403.

*Informações Mining.com

- Publicidade -spot_img
NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -