quarta-feira, 24 abril, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioEconomiaMineradoras de níquel enfrentam desafios com a ascensão da produção indonésia

Mineradoras de níquel enfrentam desafios com a ascensão da produção indonésia

- Publicidade -

Muitas das principais minas globais de níquel estão encarando um futuro cada vez mais desafiador, confrontadas com uma ameaça existencial: um suprimento praticamente inesgotável de metal de custo reduzido proveniente da Indonésia.

Com quase metade de suas operações já não lucrativas nos preços atuais, líderes das maiores empresas de mineração alertaram na semana passada que as chances de uma recuperação são escassas.

O possível colapso da mineração de níquel, da Austrália à Nova Caledônia, ocorre em um momento em que os governos ocidentais estão enfrentando dificuldades para garantir as cadeias de suprimento necessárias para a descarbonização da economia global. No entanto, ironicamente, a produção de níquel proveniente do carvão na Indonésia está criando um metal mais verde, que até agora não conseguiu obter um prêmio de mercado.

A obtenção de controle sobre metais estratégicos tornou-se uma prioridade para a administração de Joe Biden. Embora os EUA tenham buscado acordos em todo o mundo para materiais como cobalto e cobre, o maior revés ocorreu no setor do níquel indonésio, apoiado pela China, um componente crucial dos veículos elétricos.

A Indonésia atualmente responde por mais da metade do fornecimento mundial, com potencial para chegar a três quartos de toda a produção até o final da década. “Existe um desafio estrutural significativo decorrente do níquel indonésio”, afirmou Duncan Wanblad, CEO da Anglo American Plc, após sua empresa contabilizar uma perda de US$ 500 milhões em seu negócio de níquel na semana passada. “Eles não parecem desistir tão cedo.”

Tradicionalmente, o níquel era dividido em duas categorias: de baixa qualidade para a fabricação de aço inoxidável e de alta qualidade para baterias. Uma expansão maciça da produção de baixa qualidade na Indonésia resultou em um excedente e, mais crucialmente, avanços no processamento permitiram que esse excedente fosse refinado em um produto de alta qualidade.

Os mercados de commodities sempre foram suscetíveis à volatilidade cíclica, especialmente quando desequilíbrios repentinos na oferta e demanda são impulsionados por recuperações ou recessões econômicas mais amplas. Mas o que está acontecendo com o níquel atualmente é diferente, com toda a indústria passando por uma mudança estrutural que alterou previsões e modelos.

Para o Grupo BHP, o maior minerador do mundo, o níquel é um problema relativamente pequeno, contribuindo principalmente para perdas em comparação com lucros que rotineiramente ultrapassam os 30 bilhões de dólares por ano. No entanto, nos últimos anos, a empresa defendeu o metal, vendo-o como um mercado em crescimento que ajudaria a compensar sua retirada dos combustíveis fósseis.

Entretanto, isso se transformou em um desastre.

Nesta semana, o CEO Mike Henry admitiu que a empresa terá que decidir sobre o fechamento de sua principal operação de níquel na Austrália nos próximos meses. Tendo já reduzido o valor do negócio em 2,5 bilhões de dólares, Henry disse que espera que o mercado permaneça em excedente pelo menos até 2030.

Isso sugere que os desafios provavelmente estão apenas começando.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -