quarta-feira, 24 abril, 2024
EnglishPortugueseSpanish
spot_img
InícioEconomiaJPMorgan prevê que preços do ouro podem ultrapassar US$ 2.000 a onça

JPMorgan prevê que preços do ouro podem ultrapassar US$ 2.000 a onça

- Publicidade -

O JPMorgan Chase & Co. enxerga uma oportunidade no mercado de ouro, prevendo que os preços do metal precioso podem ultrapassar a marca de US$ 2.000 a onça até o final deste ano e atingir novos recordes em 2024, especialmente quando as taxas de juros nos Estados Unidos começarem a cair.

De acordo com Greg Shearer, diretor executivo de pesquisa global de commodities do banco, a queda dos rendimentos reais nos EUA será um fator significativo para impulsionar o ouro quando o Federal Reserve iniciar a aplicação de cortes nas taxas, previstos para ocorrer no segundo trimestre do próximo ano.

Nos últimos 12 meses, o ouro já registrou uma alta de cerca de 15%, impulsionado pelos sinais de que o ciclo de altas nas taxas de juros nos EUA estava chegando ao fim, além das compras realizadas pelos bancos centrais e a busca por ativos seguros em momentos de crise. Em maio deste ano, o ouro alcançou seu recorde de US$ 2.075,47 a onça, estabelecido em 2020.

Preço do ouro

O JPMorgan estabeleceu uma meta de preço médio de US$ 2.175 a onça para o ouro no último trimestre de 2024, com perspectivas de riscos inclinados para cima, prevendo uma recessão moderada nos EUA que provavelmente ocorrerá antes do início dos cortes nas taxas.

Greg Shearer destaca que o ouro e a prata são investimentos “bastante agnósticos” quanto ao cenário econômico dos EUA, sendo considerados como diversificadores de ciclo tardio. Enquanto o ouro e a prata tendem a se beneficiar independente se a economia norte-americana terá um pouso suave ou duro, as ações e commodities cíclicas, como alumínio e cobre, são mais sensíveis a esses cenários econômicos.

As posições compradas líquidas dos gerentes de dinheiro em futuros de ouro aumentaram este ano, mas o comércio ainda não está excessivamente lotado, o que sugere que ainda há espaço para novos investimentos. Além disso, outras fontes de demanda física, como as compras dos bancos centrais, estão se tornando impulsionadoras cada vez mais fortes dos preços do ouro.

Shearer destaca ainda que os riscos geopolíticos têm tornado o ouro ainda mais atraente para os governos, que estão ansiosos para comprar e diversificar suas alocações de moedas, aumentando a demanda pelo metal precioso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

MAIS VISTOS

- Publicidade -